Há muitos mitos e confusão entre tutores de gatos quando o assunto é FIV e FeLV. Ao mesmo tempo que entendem a seriedade das doenças, desconhecem algumas informações essenciais para o cuidado e até mesmo prevenção da FIV e FeLV. 

Assim, reunimos a seguir alguns mitos e verdades sobre a FIV e a FeLV para auxiliar no melhor entendimento dessas doenças em gatos. 

O que é a FIV em gatos?

A Imunodeficiência Viral Felina, também conhecida como “Aids felina” ou “FIV”, é uma infecção viral grave que acontece entre gatos. Ao adentrar o organismo do felino, o vírus ataca os linfócitos – que são as células de defesa -, debilitando a capacidade do animal se defender contra outras infecções. 

Uma vez afetados pela FIV, os bichanos podem ser assintomáticos ou apresentar sintomas como anorexia e febre, além de diversas outras reações que vão variar de pet para pet. Infelizmente, após o gato ser infectado pelo vírus, ele geralmente se estabelecerá no organismo de maneira permanente e sem cura. 

O que é a FeLV em gatos?

A FeLV é responsável por grande parte dos quadros infecciosos em gatos por todo o mundo. Considerado um vírus mais patogênico do que a FIV, a FeLV compromete ainda mais o sistema imunológico do animal por ter a habilidade de se tornar parte do DNA do gato, se perpetuando em seu organismo. 

Os sintomas observados em gatos com a FeLV, também conhecida como Leucemia Felina, são o surgimento de linfomas, anemia e imunossupressão. Assim como a FIV, a FeLV não possui cura. 

FIV e FeLV: desmistificando doenças felinas - Curiosidades, Gatos, Saúde
A FIV e a FeLV são doenças sérias que demandam que tutores de gatos estejam antenados nos cuidados, prevenção e tratamento.
Alguns mitos sobre a doença

Agora que já sabe o que são as doenças, é importante entender que nem todas as informações disseminadas sobre a FIV e a FeLV são verdades absolutas. Confira a seguir alguns mitos e algumas verdades sobre as doenças felinas! 

“A FIV e a FeLV são transmitidas apenas através do contato direto com um gato infectado” 

Mito! A transmissão da FIV e da FeLV pode ocorrer: 

– Por via venérea (no ato do cruzamento); 

– Pelo contato com a saliva em mordidas ou arranhões; 

– De mãe para filhotes pelo contato direto da amamentação ou durante a gestação. 

– Por meio de objetos contaminados. 

Assim, ocorrendo principalmente em gatos que possuem contato próximo, a FIV e a FeLV podem ser passadas de um felino para o outro por meio do contato com objetos contaminados, por exemplo. Por isso, é essencial que objetos utilizados por FeLV+ ou FIV+ sejam devidamente esterilizados antes de entrar em contato com gatos não portadores dos vírus para evitar a contaminação cruzada. 

“Gatos FIV+ não apresentam sintomas”

Não é bem assim! Os sinais clínicos da doença variam de acordo com a fase de infecção do vírus no animal. Na fase latente da FIV – quando o vírus se encontra inativo -, por exemplo, o gato pode não apresentar nenhum sintoma, podendo se estender por até 10 anos. 

Já com a progressão da doença no organismo do felino, ele pode apresentar perda de peso, anorexia, letargia, febre, linfadenomegalia, entre vários outros sintomas que devem ser avaliados pelo médico veterinário. 

“Vacinas contra a FIV e a FeLV não existem, a única forma de prevenção é o isolamento”

Não é bem assim! Não há, de fato, vacina contra a FIV. Porém, os gatos podem ser vacinados contra a FeLV. 

A vacina contra a Leucemia Felina está presente na V5 felina e também pode ser aplicada isoladamente no gato. Para aplicá-la, é preciso primeiro realizar o teste rápido ou PCR para avaliar a presença de antígenos ou anticorpos da doença no sangue do felino. Se o resultado do teste for negativo, o bichano está apto para receber a vacina contra a FeLV.

Ainda assim, é importante lembrar que a retirada do acesso à rua ou a locais em que há a presença de gatos FIV+ e FeLV+ é uma das medidas mais eficientes para proteger o bichano dessas doenças. 

“Gatos FIV+ e FeLV+ podem conviver normalmente com gatos não infectados”

Mito! Gatos positivos para as doenças não devem ter nenhum tipo de contato com gatos que não tenham sido testados ou que simplesmente não possuam as doenças, dado o altíssimo risco de contaminação. 

Via de regra, gatos FIV+ podem conviver com outros felinos soropositivos, enquanto gatos FeLV+ podem conviver com outros FeLV+. 

“A FIV e a FeLV tem cura”

Mito! Infelizmente, ambas as doenças ainda não têm cura. Assim, caso o seu bichano seja afetado pelo vírus da FIV ou FeLV, opte pelo acompanhamento da sua rotina por um médico veterinário para oferecer uma vida com mais qualidade para o bichano. Gatos FIV+ e FeLV+ demandam maiores cuidados com a alimentação, vacinas e com o ambiente em que vivem, dado que estão mais suscetíveis a complicações por infecções secundárias. 

Para isso, ter um plano de saúde da Dr Pet para o seu gatinho é a melhor maneira de acompanhar de perto a saúde e bem estar do seu pet com os melhores profissionais veterinários do país. 

FIV e FeLV: desmistificando doenças felinas - Curiosidades, Gatos, Saúde

Todas as informações contidas neste artigo foram reunidas a partir de sites dedicados a cuidados e saúde animal. Todos os conteúdos de saúde oferecidos no blog Dr Pet são de caráter informativo e nunca devem substituir a orientação, informação e prescrição de seu médico veterinário. A Dr Pet não se responsabiliza por qualquer conduta de tutores em relação aos seus pets que considere apenas as dicas oferecidas pela redação Dr Pet sem a consulta ao médico veterinário responsável pela saúde do seu pet, considerando que cada organismo animal possui as suas peculiaridades.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Guardamos estatísticas de visitas para melhorar sua experiência de navegação, sabia mais em nossa Política de privacidade.